1998 - 2011

Arte Renate Granade
quis tirar braço- de-ferro com Deus
quis sonhar- mas sem dormir jamais
quis pensar mas te olhando ali
os pensamentos eram peixes num aquário
de ar

de ar

quis chamar Buda para um quebra-pau
quis fazer - e olha que nem notei
que o universo é uma teia de intenções
dá pra amar alguém indefinidamente
por agora

e sorri
olhos escuros
pele tão clara dentes curtos
boca pequena feito a porta
de certos paraísos
anjos
no céu
da sua boca
cantam um ângelus á espera
do audaz
do louco audaz
que te amará agora
e jamais...

quis chamar Lúcifer de manhã
meia-noite não parecia certo
para me contar o porquê da rusga
o porquê de tanta água e tanto deserto

quis tirar as minhas conclusões
mas só via você nua sobre mim
dançando como Salomé televisiva
intensiva, coerciva, e real
e sorri
nos meus sonhos
debica o meu querer
esta luz
olhos negros
os dedos em arco
evocam canção
desconhecida
de tempos atrás
tempos atrás
tempo fugaz
quando te amei
para sempre
e jamais

desculpa, tive de trapacear
mas mesmo assim
não consegui me derrotar.


Claudinei Soares
Compartilhar:
← Anterior Proxima → Inicio

Os Mais Lidos da Semana

Se tem fogo... Me dá um cigarro!

Se tem fogo... Me dá um cigarro!
Os poemas que formam esse livro criam “um mundo” antropológico divinamente profano. Adams Damas, Bruna Fernanda Berardi, Claudinei Soares, Fê Effen, Sendy Gomes, Murillo Kollek e Francisco Heraldo, nos brindam com temas que fazem parte do dia a dia.

POSTAGEM EM DESTAQUE

Meu jeito estranho de gostar das coisas

Queria você perto de mim Mas não aqui Neste mundo estranho Neste tempo obscurecido Talvez eu tenha esquecido Tudo o que eu nunca soube S...

Seguidores

Total de visualizações !

Siga-nos