Divinos entre profanos

Arte Brenkee
Meu coração anestesiado
descompassados batimentos.

           Ele não será analisado
"medicado
consultado
avaliado".

Meu coração é de poeta
no vinho curtido
nas folhas escritas
recitados ao vento
para que sejam ouvidos.

João Arruda

Compartilhar:
← Anterior Proxima → Inicio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os Mais Lidos da Semana

Se tem fogo... Me dá um cigarro!

Se tem fogo... Me dá um cigarro!
Os poemas que formam esse livro criam “um mundo” antropológico divinamente profano. Adams Damas, Bruna Fernanda Berardi, Claudinei Soares, Fê Effen, Sendy Gomes, Murillo Kollek e Francisco Heraldo, nos brindam com temas que fazem parte do dia a dia.

POSTAGEM EM DESTAQUE

Desejo

Desejo  uma palavra provocante,  perigosa e ao mesmo tempo doce.  Desejo proibido,picante,apimentado...  Desejo calmo, suave co...

Total de visualizações !

Siga-nos