Cortinado - a noite

Cortinado - a noite
De tinta e papel
Nos trilhos se movem
Os astros do céu
A lua emerge
Prateia o chão
E as cordas que toco
E a própria canção

Milênios passados
Relógios de luz
Versos desbotados
Que o vento arrastou
A cinza das eras
Jamais se apagou
De mim o que resta?
De tudo- o que sou?

Meu amor não dorme
Vigia - eu sei
Meu sono cansado
Cerrado ao final
Ao fim da batalha
Vivas não dei
Meu amor não dorme
Me guarda do mal

A noite avança
Que dia, meu Deus
E já sem tardança
Amanhecerá
Minhalma dormita
E os sonhos meus
Passeiam na terra
Que um dia será

A longa jornada
De um astro que errou
Através da estrada
Fulgente apogeu
O aço da espada
Retornando ao chão
Meu amor não dorme
Por quê durmo eu?


Claudinei Soares

Compartilhar:
← Anterior Proxima → Inicio

Os Mais Lidos da Semana

Se tem fogo... Me dá um cigarro!

Se tem fogo... Me dá um cigarro!
Os poemas que formam esse livro criam “um mundo” antropológico divinamente profano. Adams Damas, Bruna Fernanda Berardi, Claudinei Soares, Fê Effen, Sendy Gomes, Murillo Kollek e Francisco Heraldo, nos brindam com temas que fazem parte do dia a dia.

POSTAGEM EM DESTAQUE

Meu jeito estranho de gostar das coisas

Queria você perto de mim Mas não aqui Neste mundo estranho Neste tempo obscurecido Talvez eu tenha esquecido Tudo o que eu nunca soube S...

Seguidores

Total de visualizações !

Siga-nos