Tropecei num tipo estranho de amor

Tropecei num tipo estranho de amor
Quando vi estes olhos cansados
de um verde de olhos de gato
De um verde de folha ao sol

E senti meu coração espremido
No lagar e produzindo vinho novo
Espesso, forte e misterioso
Como um elixir alquímico

Tropecei num tipo estranho de amor
e queria que você soubesse
O quanto é lindo.

É um negócio que parece brincadeira
disposto a cultivar teu riso
Atento à sua menor tristeza

E encantado sempre com tudo
Porque a vida se reveste de sentidos
Que antes estavam menos acessíveis
Que a mais longínqua das altas estrelas.

Sonho que você deitará no meu colo
E dormitará um merecido sono
Almejo deitar tranquilo em seu regaço
E deixar correr estas contidas lágrimas

Quero te ver alcançar as montanhas
Quero saber que cruzou oceanos
Tropecei num tipo estranho de amor
E quero ser quem te espera chegar.


Claudinei Soares

Compartilhar:
← Anterior Proxima → Inicio

Os Mais Lidos da Semana

Se tem fogo... Me dá um cigarro!

Se tem fogo... Me dá um cigarro!
Os poemas que formam esse livro criam “um mundo” antropológico divinamente profano. Adams Damas, Bruna Fernanda Berardi, Claudinei Soares, Fê Effen, Sendy Gomes, Murillo Kollek e Francisco Heraldo, nos brindam com temas que fazem parte do dia a dia.

POSTAGEM EM DESTAQUE

Meu jeito estranho de gostar das coisas

Queria você perto de mim Mas não aqui Neste mundo estranho Neste tempo obscurecido Talvez eu tenha esquecido Tudo o que eu nunca soube S...

Seguidores

Total de visualizações !

Siga-nos